Colegiado do Curso


Última reunião do Colegiado do Curso Técnico em Eletrotécnica: 20 de Novembro de 2019

Pauta*:

  1. Análise dos processos de liberação de carga horária de estágio;
  2. Deliberação dos interessados à Coordenação do Curso;
  3. Coordenação de projetos que incluem alunos da eletrotécnica – produção de material para mostra de trabalhos / VemProIF;
  4. Proposição de minicursos que promovam: a divulgação do curso; parcerias com entidades externas; captação de recursos extraordinário para equipar laboratórios de Eletrotécnica (lembrando que estas ações estão previstas no plano de ação 2020 – disponíveis no site).
  5. Apresentação do planejamento orçamentário
  6. Participação em projetos extra-orçamentários
  7. Avaliação para a atuação do Curso no VemProIF e MOEPEX 2020

* Para adicionar assuntos à pauta da reunião entre em contato
com a coordenação até dia 10 de novembro de 2019.

Representantes do Colegiado:

  • Coordenador: Prof. Rafael Z. Scapini
  • Docente: Prof. Juliano E. Rathke
  • Docente: Prof. Moisés Cordeiro
  • Técnico Administrativo em Educação: Iuri G. Quaglia
  • Discente: Francieli Soares Lima
  • Discente: Gabriel Jose de Campos Dellay

Portaria 167/2019

O que é o Colegiado?

“O Colegiado de Curso é um órgão normativo e consultivo de cada curso, que tem por finalidade acompanhar a implementação do Projeto Pedagógico, avaliar alterações dos currículos plenos, discutir temas ligados ao curso, planejar e avaliar as atividades acadêmicas do curso, observando-se as políticas e normas do IFRS”

A Coordenação do Curso Técnico em Eletrotécnica conta com o suporte normativo e consultivo do Colegiado de Curso para tomadas de decisão sobre ações regulamentadas e não-regulamentadas.

Principais atribuições do Colegiado

DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE CURSOS

Art. 58. Os Colegiados de Cursos devem observar os relatórios de autoavaliação Institucional e de avaliação externa para a tomada de decisões em relação ao planejamento e ao desenvolvimento de suas atividades.

DOS CONSELHOS PEDAGÓGICOS

Art. 181. As reuniões de Colegiado de Curso constituem-se no processo de análise e reflexão sobre o andamento do curso, visando ao aprimoramento do processo de ensino-aprendizagem, envolvendo o Setor de Ensino. Deverão ocorrer em cada período letivo ou em caráter extraordinário.

DAS PRÁTICAS PROFISSIONAIS

Art. 219. A prática profissional é obrigatória aos estudantes de todos os cursos do IFRS e consiste em condição essencial para o direito ao diploma ou certificado de conclusão de curso.

Art. 223. Somente poderão ser contabilizadas as atividades que forem realizadas no decorrer do período em que o estudante estiver vinculado ao curso.

Art. 224. O(s) relatório(s) desenvolvido(s) deverá(ão) ser escrito(s) de acordo com as normas do Manual de Redação de Trabalhos Técnicos ou Científicos do IFRS.

DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Art. 228. As atividades programadas para o estágio deverão manter uma
convergência com os conhecimentos teórico-práticos adquiridos pelo estudante durante a sua formação, considerando o perfil do egresso manifestamente desejado no PPC.

Art. 229. São objetivos do estágio:
I. Possibilitar ao estudante o exercício da prática profissional, aliando a teoria à prática, como aspecto integrante de sua formação;
II. Contribuir para o ingresso do estudante no mundo do trabalho;
III. Promover a integração do IFRS com a sociedade e sua organicidade com o mundo do trabalho.

Art. 230. O estágio pode ser caracterizado como obrigatório ou não obrigatório.
§ 1º. Entende-se por estágio obrigatório aquele que constitui exclusivamente prática profissional no campo de trabalho, previsto no PPC como componente curricular.
§ 2º. Entende-se por estágio não obrigatório, aquele que não se constitui em componente curricular, mas pode ser previsto como um item do PPC.
§ 3º. Para fins de estágio, o estudante deverá estar com a matrícula ativa e em curso no IFRS.

Art. 234. O acompanhamento das atividades de estágio será realizado in loco, pelo supervisor de estágio da concedente, e pelo professor orientador, embasado no relatório final de responsabilidade do estagiário, em diálogos com supervisor da concedente e em visita ao local, quando possível, no decorrer das atividades para cada estudante orientado.
Parágrafo único. O estudante deverá comprovar o registro de frequência às atividades programadas, atestado pelo supervisor de estágio.

Art. 235. O estudante deverá apresentar relatório de atividades do estágio, em prazo não superior a 6 (seis) meses.

Art. 236. Os estudantes trabalhadores, cujas atividades relacionam-se com aquelas propostas pelo curso, poderão, mediante apresentação de contrato social da empresa ou contrato de trabalho, requerer a substituição de parte ou de todo o estágio pela equivalência das atividades desenvolvidas, conforme o PPC.
§ 1º. O requerimento deverá ser analisado pelo Colegiado do Curso.
§ 2º. O deferimento do processo não desobriga a orientação do estudante, bem como todo o trâmite para aprovação do relatório final.


Técnico em Eletrotécnica IFRS IBIRUBÁ